INÍCIO PT EN ES
 
NEWSLETTER
MAPA DO SITE
CONTACTOS
       

Ação Municipal
Agenda
Centro de Comunicação
Informação Oficial
O Concelho
Órgãos Autárquicos
Viver Paços de Ferreira
Alojamento
Associativismo
Contactos Institucionais
Cultura
Desporto
Emergência e Protecção Civil
Farmácias
Lazer
Restauração
> Pública  > Viver Paços de Ferreira  > Cultura 
Museu Arqueológico da Citânia de Sanfins

0 Museu Arqueológico da Citânia está instalado em Sanfins de Ferreira, na proximidade da Citânia, num edifício barroco, conhecido por Casa da Igreja ou Solar dos Brandões, que, com a antiga igreja e residência paroquial, constituem um conjunto arquitectónico de interesse histórico local.

O solar tem uma organização muito original e muito marcada pelo sítio. A casa foi feita, conforme garante inscrição, em 1722, sendo mais tarde nobilitada com pedra de armas, concedida em 1775. Desta época, é o portal nobre que fecha o pátio da casa, ameado e em estilo Rococó, onde se ostenta a grande pedra de armas.

A igreja velha de Sanfins convive e marcou o edifício anterior.

Em bom aparelho granítico, foi remodelada em 1865, mas conserva espaços e restos de construção do século XVI, onde se destacam frescos quinhentistas de importância. Na sua capela-mor mantêm-se ainda cachorros que pertenceram a uma fase de construção anterior, medieval.

O museu foi fundado em 18 de Outubro de 1947, ocupando uma sala de disponibilizada pelos proprietários do solar, foi solenemente inaugurado em 14 de Janeiro de 1984, após aquisição da Câmara Municipal de Paços de Ferreira.

Projectado como centro de estudo, conservação, exposição e valorização da Citânia de Sanfins e do património arqueológico do conselho, este Museu é hoje reconhecido como uma dinâmica instituição com actividades de investigação especializada, apoio pedagógico, divulgação cientifica e intervenção cultural, que se vêm afirmando de primordial importância para o conhecimento do nosso passado comum.

Com a reformulação do Museu em 1995, apoiada financeiramente por programas comunitários, a área de exposição ocupa o edifício principal do Solar dos Brandões. A reserva e a unidade de investigação e administração estão instaladas na antiga residência paroquial, e a Igreja Velha serve de auditório e espaço para exposições temporárias. Nos anexos está instalada a casa do guarda, alojamento e outros serviços de apoio.

A exposição permanente mostra o espólio das escavações da Citânia de Sanfins e os materiais arqueológicos recolhidos na área do concelho de Paços de Ferreira, documentando inúmeros vestígios das comunidades implantadas na região desde o Neolítico.

A analise destes testemunhos permite delinear um quadro de sequências culturais desde formas incipientes de actividade agrária em horizontes megalíticos até aos começos da idade Moderna, sempre revelando notáveis índices de densidade populacional e organização social em adequado aproveitamento do meio e dos recursos naturais.

A observação dos objectos expostos no primeiro piso e em parte do rés-do-chão do Museu ajudará a compreender a vida dos povos que habitaram durante cerca de mil anos apartir da segunda metade do I milénio a.C.

Do conjunto do material lítico, que inclui prisões de gado, mós, pias, soleiras, ombreiras, e padieiras de portas e outros objectos utilitários, destacam-se quatro aras votivas bem como numerosas gravuras rupestres com decoração geométrica típica da gramática decorativa castreja e gravuras figurativas, em especial uma representação de cena de caça ao veado. Uma notável escultura de guerreiro é a imagem tutelar da comunidade castreja.

A cerâmica, geralmente grosseira e micácea e fabricada à roda, apresenta formas e decoração variada de vasos com função diversa. Dos objectos metálicos, são dignos de atenção a cabeça de um torques de ouro, fibulas e alfinetes de bronze, armas e utensílios de ferro. Outros objectos falam-nos de fiação e tecelagem.

Ânforas, sigillata, vidros, contas de colar, dois tesouros monetários e outros materiais romanos e medievais são testemunho das relações com outros povos, da aculturação e abandono da Citânia.

Os materiais expostos no piso inferior dizem sobretudo respeito à ocupação megalítica e à intensa romanização da área concelhia, com destaque para uma expressiva colecção de cerâmicas romanas provenientes de numerosas necrópoles que testemunham a adopção de novos modelos económicos, sociais, e culturais, romanos. A ocupação do território implicou a transferencia das populações para áreas de particular aptidão agrícola, onde se constituíram os núcleos de quase todas as actuais freguesias do concelho de Paços de Ferreira, segundo uma dispersão de perfil agrário ainda hoje de notória pervivência.

Campo privilegiado de investigação desde os tempos pioneiros da arqueologia nacional, atraindo para estudo sistemático grandes vultos e instituições da cultura portuguesa e estrangeira, cumpre referir sobretudo o trabalho de Eugênio Jalhay e Afonso do Paço, posteriormente continuada por docentes e investigadores da Faculdade de Letras da Universidade do Porto, que, com o resultado de sucessivas campanhas, tornaram a Citânia de Sanfins numa das mais prestigiadas estações arqueológicas peninsulares.

A visita pode ser feita das 10h ás 12h e das 14h ás 17h excepto ás segundas- feiras. Nos meses de Junho a Setembro o Museu encerra ás 18 horas.

Museu Arqueológico da Citânia de Sanfins Espólio do Museu Arqueológico da Citânia de Sanfins
Casa da Igreja / Solar dos Brandões
4595-370 Sanfins de Ferreira
Telefone: 255 963 643
Fax: 255 860 734
Email: citaniadesanfins@gmail.com

 
Museu Arqueológico da Citânia de Sanfins Museu Municipal - Museu do Móvel Serviços Online
 
 
Imprimir IMPRIMIR
ENVIAR ENVIAR
 
 
ACESSIBILIDADE FICHA TÉCNICA Desenvolvido por innovagency